Sites Grátis no Comunidades.net Crie um Site Grátis Fantástico




ONLINE
1





Partilhe esta Página



Total de visitas: 12237
Seduz-me [Conto de Sedução]
Seduz-me [Conto de Sedução]

            

 

CONTO:  FRAGMENTOS DE UM DESEJO

                

Parada em pé no meio da sala, Juliana Newman olhou à sua volta, a sala era confortável e muito limpa, visualizou mentalmente os outros cômodos de seu apartamento, e todos estavam vazios e pensou na solidão que sentia. O que levava uma mulher de 40 anos, bonita, lindos cabelos loiros num tom dourado, cobrindo seus ombros, com um corpo perfeito e bem-sucedida profissionalmente, a questionar sua vida? Estava infeliz e não sabia o que fazer. Recusava todos os convites para festas e jantares e ignorava os galanteios. Evitava reuniões de trabalho em restaurantes, gostava de resolver no escritório, justamente para não dar margem a nenhuma investida de algum cliente mais ousado.

 

Ela vivia sozinha, seus pais eram falecidos e não tinha irmãos, seus únicos parentes, dois tios, irmãos de seu pai, residiam na Inglaterra e raramente se visitavam. Mas não era essa solidão que a perturbava, mas a vontade de ficar sozinha, de excluir todos de sua vida, de se isolar. Então se recolhia ao seu apartamento, o seu mundo, e hoje, sem saber o motivo, estava se sentindo muito sozinha e triste. Lembrou que podia tirar férias no escritório, e que dependia do juiz marcar a audiência no processo que defendia e se tudo corresse bem, em 30 dias poderia viajar, quem sabe encontraria as respostas.

           

Animou-se com a ideia das férias e foi para seu quarto. Colocou a bolsa em cima de uma poltrona e foi separar uma roupa confortável para vestir depois do banho, um short preto e uma regata branca. Foi até um espelho para tirar brincos e pulseiras. Ficou olhando para seu corpo e começou a se despir, lentamente, deixou escorregar a saia, despiu a blusa, ficando de calcinha e sutiã, olhou atentamente para seu corpo perfeito. Gostava de alimentação saudável e ginástica aeróbica, também nadava três vezes por semana durante duas horas, estava pensando em trocar a ginástica por natação, que lhe dava mais prazer e a deixava mais relaxada, talvez pela exigência de maior esforço e energia.

           

Passou as duas mãos pelo corpo suavemente, acariciando-se. E de repente sua fisionomia se transformou, olhou outra vez para o rosto e perguntou para seu reflexo no espelho:

 

 – De que adianta este corpo sensual e bonito, se não encontro ninguém que me agrade, ninguém para vir aqui me fazer gritar de prazer? Alguém que me jogue na cama e me ame loucamente? Não quero mais brincar sozinha ou com aquele vibrador frio, sem vida. Quero alguém, eu preciso de alguém. Depois do desabafo, sentou-se no chão ainda em frente ao espelho e continuou se analisando... Por fim levantou-se e seguiu para o banheiro. Após o relaxante banho, providenciou o jantar, e da sua geladeira abarrotada de frutas, verduras e legumes, tirou um peixe grelhado colocando para aquecer enquanto preparava uma salada. Ao término do jantar, ligou o notebook e decidiu passar o resto da noite passeando no Facebook e selecionar algumas músicas no Youtube.

           

Respondeu alguns e-mails, trocou informações com amigos e aleatoriamente foi buscando páginas, saiu do Facebook e foi para o Youtube selecionar links musicais.

           

De repente clicou errado e entrou um link que não fora selecionado, estava para sair quando sentiu um arrepio percorrer seu corpo e ficou hipnotizada ouvindo a música.

           

A música era perturbadora e envolvente, e de repente uma voz suave cantando, falava de amor, de não ter um amor, de solidão, parecia mais um lamento do que uma canção, e uma imensa vontade de abraçar, confortar quem murmurava aquela solidão aterradora, fazendo-a esquecer da sua própria solidão. Ao término da música, procurou, mexeu e não encontrou o nome do compositor ou do cantor, então voltou a ouvir, e mais uma vez seu corpo ficou todo eriçado e impaciente e precisava saber o que era aquilo, de quem era a linda música, de quem era a voz sensual.

           

Salvou o link e decidiu deixar para o dia seguinte, que era sábado e não precisaria trabalhar, então teria tempo para desvendar o mistério.

           

Desligou o notebook e foi dormir. Tentou, mas não conseguia parar de pensar nas sensações que seu corpo sentiu ao ouvir aquela música.

           

Pela manhã, após o café, voltou para o computador e se dedicou a uma busca, nada encontrando. Lembrou-se de um amigo que era DJ, o Rick e procurou por ele no Facebook e por sorte estava online. Enviou o link para ele, que quando escutou a voz, já sabia de quem se tratava:

 

– Este é Nicholas Ranagan, é americano, parece que vive em Los Angeles, não é profissional, compõe a alguns anos, mas diz que não faz música para ganhar dinheiro, faz porque ama música, é um cara esquisitão, veja uma matéria com ele na revista Rolling Stones de março. Veja na internet.

           

Juliana se despediu do amigo e foi procurar o site da revista, buscando a edição de março passado. Estava impaciente e o computador parecia não andar. Encontrou a revista, e foi procurando a matéria, nem tinha destaque na capa, e ficou paralisada. Três fotografias, a maior delas mostrava um homem vestido com simplicidade, bermuda, chinelos e camiseta de surfista, pele bronzeada, cabelo castanho liso batendo no ombro, olhos azuis, a boca com os lábios entreabertos que fez com que ela passasse a língua pelos próprios lábios, seu corpo sentia uma força vindo daquele homem, era uma vontade de entrar na tela e ir lá beijar aquela boca... Ficou ofegante e quando percebeu estava se acariciando e empurrou a cadeira para trás, para tentar se recompor.

           

Refeita do arrebatamento, tratou de ler a matéria para obter mais informações a respeito do homem encantador que a deixou maluca... Tinha 42 anos, era solteiro e vivia sozinho, sua família era do Colorado e não se davam muito bem, não mencionava o motivo. Havia recebido uma herança da avó, que lhe permitiu comprar uma casa e compor suas músicas, ocasionalmente vendia os direitos para alguma gravadora, mas não tinha interesse em comercializar, suas obras como ele chamava. Continuou lendo a matéria e se encantando cada vez mais com aquele homem, até que seus olhos se depararam com o link dele no Facebook, clicando em cima.

           

Olhava avidamente enquanto a página abria e uma fotografia daquele monumento estampava a tela de seu notebook, a boca parecia mais convidativa. Passou a língua pelos lábios, estava ofegante. Eenviou uma solicitação de amizade. Ficou assustada como uma criança, com as duas mãos levantadas acima do teclado, com medo de alguma reação involuntária. Ele confirmou a amizade e entrou no chat. Juliana foi logo falando da música, para se distrair do que seu corpo sentia cada vez que olhava aquela pequena fotografia na caixa do chat. Nicholas, apesar de viver recluso era bem simpático e estava com vontade de conversar, e foi perguntando o que fazia, o que gostava, falando dele, de suas músicas, que morava em Venice Beach, que Los Angeles era muito agitada e queria mar e calmaria. Ela tremia cada vez que precisava digitar, tinha medo de escrever o que não devia e assustá-lo. Ficaram trocando informações por umas duas horas, marcando novo bate-papo para a noite. Ela desligou e continuou sentada de olhos fechados, curtindo as sensações em seu corpo. Levantou e correu para o banheiro abrindo o chuveiro na água fria e entrou embaixo ainda vestida, sentia seu corpo queimando. E começou a rir, rir alto como a muito tempo não fazia, estava se sentindo muito feliz.

           

A tarde passou voando, ocupou-se com a casa, precisava fazer compras, mas não pretendia sair, e pediu por telefone. Jantou, deixou tudo limpo e pegando o notebook, foi para o sofá aguardar por ele. Pontualmente Nicholas entrou e os dois começaram a conversar, durante umas quatro horas. E assim, durante 20 dias, todos os dias eles se falavam, ele contava de sua vida e ela também. Juliana estava cada vez mais envolvida, e precisava se controlar, tinha ímpetos de entrar na tela do note e agarrar aquele homem que a deixada louca de desejo. E ele não falava nada, sempre gentil e educado. Juliana não aguentava mais, queria mais, queria ele e que ele também a quisesse, e uma noite, decidiu falar. Resolveu tomar coragem e falar o que sentia por ele.

           

No horário marcado Nicholas entra falando da praia, ela impaciente, e ele dizia que apresentava suas músicas na rua, e adorava. E ela não aguentou mais e disse:

 

 – Não é nada, não é ninguém e fica me olhando com esses lindos olhos e suas músicas tocando, faz ideia do que provocou?

 – O que eu provoquei?

- Não vai nos levar a lugar algum... Ainda bem que estamos distantes... Eu... Eu desejo você!

 – Desejo? Eu provoquei isto?

 – Sim... E nunca mais vou falar a respeito é perturbador e não vou desejar o que não vou ter... O que não posso ter.

 – Você me deseja?

 – Você provocou um turbilhão...

 – Dentro de você?

 – Não, não dentro de mim.

 – Claro que foi dentro de você.

 – Não sabe nada de mim... O que eu penso e o que eu sinto.

 – O que sente?

 – Eu... O que eu sinto dentro de mim, neste momento, ou o que eu penso você nem faz ideia.

 – Você parece uma menina.

 – O que tem a ver uma menina, com o desejo de uma mulher por um homem que ela não conhece, não escuta sua voz, não sabe nada dele? Desejo pelo mundo sombrio e tempestuoso que tem dentro dele, que gostaria de mergulhar de corpo inteiro neste mistério.

 – Querida, não chore...

 – Não estou chorando... não tem lágrima, só tem pupila dilatada...

 – Pupila dilatada?

 – Viu, não sabe nada... Desejo intenso fazem as pupilas dilatarem.

 – Como você faz? Com o desejo que sente?

 – Sempre se pode dar um jeito... Mas a vontade de tocar, beijar, sentir a pele, esta não tem jeito. Desejo a gente precisa saciar.

– Puxa... Não sei o que dizer, estamos tão distantes... Você sente desejo.

 – Nicholas, eu sinto desejo por você, estou louca por você, não por sexo, quero você. Olha é melhor esquecer, nunca vai dar certo. Vou desligar agora. E Juliana arrasada desliga o note, deixando-o lá.

           

Juliana, no dia seguinte, se arrepende de tudo que falou. Vai deixar uma mensagem e quando abre a caixa, encontra vários links de músicas para ela, são de Nicholas. Esquece tudo. Ele aparece e ela pede desculpas, só que agora está diferente, ele quer saber mais sobre o que ela sente, como sente, e de que forma. Juliana fica cada vez mais excitada, querendo entrar no computador ou se pudesse trazer ele para os seus braços e acaricia suas pernas sentindo arrepios pelo corpo e o desejo latejante em seus genitais, pedindo e implorando para aquele desejo ser saciado.

           

Mas quando ele começa a falar palavras doces, sensuais, provocando-a, como se quisesse, a milhares de quilômetros e ao mesmo tempo tão perto, aplacar aquele desejo, ela se retrai, sente vergonha, e sabe que não poderá continuar escrevendo.

           

Nicholas fica irritado. Diz que está cansado, que ela não sabe o que quer e por não usar o Skype para eles falarem podendo ver um ao outro. Acabam brigando mais uma vez.

           

No dia seguinte, quando abre o note, tem uma mensagem pedindo desculpas, e uma música que fez para ela. Juliana fica encantada com aquele carinho e fazem as pazes.

           

Nicholas está todo animado, mostrando fotografias da sua casa, próximo ao mar, disse que comprou com a herança da avó, que é pequena, simples, mas é dele. A casa parece um loft, um grande cômodo com quatro ambientes separados com móveis e uma peça que ela pensou ser o banheiro. Aconchegante e tudo arrumado, ele parecia ser meticuloso e detalhista. Juliana perguntou por que ele não gravava, não fazia como todos os compositores. Nicholas não gostou da pergunta, a música era especial e não venderia cópias por aí, que apresentava na praia, no calçadão, alguns compravam e estava tudo bem.

 

– Parece que você não gosta de como eu faço meu trabalho, é minha música e você poderia me ver tocar se quisesse.

           

E desliga o chat. Juliana fica furiosa, não sabe o que fazer, ele não fala, não diz nada, não sabe o que ele sente e como vai fazer. Se desespera e acaba chorando. E percebe que não é mais só desejo, está envolvida, está apaixonada, e parece que vai sufocar.

           

Mais tarde, ela percebe que Nicholas voltou e vai falar com ele. Ficam discutindo, cada um os seus motivos. Juliana diz que a culpa é dela, não devia ter se envolvido e agora vai se buscar de volta.

 – Você acha?

 – Vou sim, tenho certeza. Nem conheço você.

 – Chega de brigas, não quero mais brigar com você.

 – Diga o que você quer que eu escreva?

 – O que sente.

 – O que eu sinto? Mais... Você quer mais?

 – Quero...

 – E como vou ficar se te der mais? Vais levar tudo de mim.

 – Querida, como desejar alguém desta maneira poder ser saudável?

 – É saudável desejar alguém... Quem sabe ir agora para esta casa junto ao mar e abraçar você? Ficar numa cama quentinha, abraçados.

 – Beijos molhados e carícias ardentes.

 – Chega! Quem sabe um dia eu poderei saciar esse desejo... Um dia... Talvez nem exista mais o desejo e curtir assim... Eu aqui e você aí... Queria colocar você em meus braços e apagar todo o nosso passado... Cobrir você de beijos e ver o sorriso em seus olhos.

 – Só se você viesse me visitar, aí nós poderíamos aplacar esse desejo.

 – Eu visitar você? Você quer que eu viaje para visitar você? Simples assim? Não vai me pedir mais nada?

 – Venha... Não vou pedir nada, eu quero saciar o seu desejo.

           

Ela percebe que ele não falará, não vai falar o que ela quer ouvir, como vai largar tudo para viver com um artista de rua em Los Angeles?

           

Que mora numa casa pequena na praia... Uma linda casa na praia, longe de tudo, com o homem que a leva a loucura sem tocá-la, que aquela dor que sente pelo corpo é fome, fome daquele corpo, daquele homem, e sabe que não poderá mais viver sem ele... Mas ele não fala, ele não pede. Visitar? Vou visitar e depois voltar? Antes me afogo no Pacífico. E a decisão foi tomada... Ela corre e liga para o escritório se demitindo, enquanto se veste para ir lá resolver as pendências e quando retorna, faz as malas, compra uma passagem só de ida para Los Angeles... Não vai avisar, fará uma surpresa. Tranca o apartamento, avisa o síndico que vai viajar e não sabe quando voltará.

           

Chegando ao aeroporto em cima da hora, ainda bem que fez o check-in pela internet.

           

Entra no avião e se acomoda, vai desligar o celular e percebe que tem uma mensagem do Nicolas, abre e sorri. Diz a mensagem: “Venha viver comigo... Eu amo você!”

 

Nell Morato

12.02.2014