Sites Grátis no Comunidades.net Criar um Site Grátis Fantástico




ONLINE
1





Partilhe esta Página



Total de visitas: 12821
Revista Literária da Lusofonia Nº 16
Revista Literária da Lusofonia Nº 16

 

http://issuu.com/estampapb/docs/divulga_escritor_out_nov_2015/1

Artigo A POESIA E EU na página nº 55

 

A POESIA E EU

 

Eu considerava a poesia um sinônimo de melancolia e não tinha nenhum interesse por ela, com exceção do poeta gaúcho Mário Quintana. Gosto dos versos simples, numa linguagem clara e apurada que vai direto ao coração. Ele dizia: “que um bom poema é aquele que nos dá a impressão de que está lendo a gente... e não a gente a ele.”

Foi o que encontrei nos poemas de José Lopes, o Poeta do Silêncio.  Eu o conheci em dezembro de 2013, quando fui convidada para o lançamento de seu livro, “O Meu Silêncio”, em Lisboa.  Infelizmente não pude comparecer, porém conhecê-lo foi surpreendente.

O poeta foi me mostrando a sua poesia, o seu “silêncio”.  A princípio, eu não conseguia entender. Silêncio?  Como o silêncio pode falar?  Até mesmo gritar? Mostrou-me a ligação da poesia com a música.  E, lembrei-me do Trovadorismo, o movimento poético dos séculos XII a XIV, onde surgiram as cantigas, que eram poesias compostas para serem cantadas ao som de instrumentos musicais como a flauta e a viola. Fiquei verdadeiramente encantada, ao ler uma poesia em voz alta ao som de música épica. Também me ensinou a pensar. Porque, para o Poeta do Silêncio, um pensador não é aquele que pensa... Mas o que estimula o pensar.

E a transformação aconteceu... Eu vivia com os pés no chão e a cabeça em cima do pescoço. Disse-me o poeta certa vez: “Vive o poema que és. Só assim serás poesia”! E também: “Todos nós somos poetas e quando não somos, somos o poema.” E fui em busca da minha poesia, decifrando a minha alma. Não se aprende a escrever poesia.  Ela já existe dentro de nós. 

Encontrei-me diversas vezes em seus poemas, como se fosse eu a escrever ou que tivessem sido escritos para mim.  Aí então, lembrei-me da frase de Mário Quintana, “que era o poema que lia a minha alma”.  Gosto muito do sentimento contido em seus escritos, gritos de revolta e às vezes de saudade e de amor.  O primeiro poema escrito por ele, “Ser poeta”, surgiu com as emoções provocadas pela saudade e frustração, quando foi forçado a sair do seu país para trabalhar. E aí a paixão pela poesia instalou-se definitivamente.

Considera-se um filósofo, simplesmente por estar vivo, porque não há mais completa e complexa filosofia do que a própria vida. Costuma dizer que a vida sempre foi seu maior mestre.  Os filósofos Friedrich Nietzsche e Immanuel Kant são os seus preferidos. Outra paixão do poeta é a fotografia.  Tem publicado belíssimas imagens de sua autoria acompanhando as composições poéticas e encantando seus admiradores.

Existem muitas dificuldades no mercado editorial, no Brasil ou em Portugal, para os poetas publicarem seus livros, divulgarem seus escritos e ter o talento reconhecido.  Alimento o desejo de ver o seu nome inserido na galeria dos grandes poetas portugueses.

 

 Nell Morato

18/09/2015