Sites Grátis no Comunidades.net Criar um Site Grátis Fantástico




ONLINE
1





Partilhe esta Página



Total de visitas: 12914
Os Caminhos de uma Escritora - Parte 3
Os Caminhos de uma Escritora - Parte 3

 Mesmo o caminho cheio de pedras... ainda assim pode ter um  belo gramado e é bem mais fácil de  trilhar...

 

OS CAMINHOS DE UMA ESCRITORA

PARTE 3

 

Em 31 de outubro de 2013, quando publiquei meu livro no Clube de Autores, me aventurei por caminhos que eu nunca havia percorrido.  Abri uma conta no Facebook e no Twitter. Até então, internet era só para pesquisa e correspondência.  Optei por um perfil profissional, escritora, e coloquei uma silhueta no lugar da fotografia. Os primeiros dias foram assustadores. Eu não sabia o que deveria publicar, como fazer amigos, e não desejava importar “meus amigos reais”, queria novos, queria outros escritores e pessoas ligadas à literatura e também, desejava futuros leitores para o meu livro.

 

Não lembro quem foi e como foi o primeiro amigo e/ou amiga do Face. Mas foi tudo muito rápido, e eles foram chegando, eu fui adicionando e, ao mesmo tempo, buscando pessoas desconhecidas e ligadas ao setor.  Descobri as páginas, as “Fan Pages”, para conhecimento e informação de produtos e serviços.  E depois os grupos.  Lembro-me que o primeiro em que entrei foi “Escritores ajudando outros escritores”. E foi marcante, um grupo em que participei ativamente.

 

Um dos administradores é gaúcho, e eu me senti mais à vontade.  Não sou e nunca fui tímida ou retraída.  O que acontece é que eu não sabia nada de rede social e muito menos do universo literário.  Escrevera um livro, e daí? Não sabia nada e não tinha nenhuma experiência e confesso que não me sentia segura.  É preciso conhecer para falar, é preciso conhecer para argumentar, para dar conselhos e dicas, é preciso conhecer para ser ouvida ou, no caso, lida.  O que fiz foi uma análise da minha vida até então, recorri ao baú de recordações para saber o que falar e/ou escrever nos grupos, como interagir com as pessoas.

 

Sobre o universo literário eu aprenderia, buscaria informações para saber onde eu estava me aventurando.  E usaria todo o conhecimento já adquirido, “vivendo, lendo e estudando”, que fazia parte da minha vida, do meu dia a dia para interagir com as pessoas, principalmente os jovens que estão em maior número no grupo “Escritores ajudando outros escritores”.

 

Aos poucos fui aprendendo, descobrindo como tudo funcionava.  Encontrei pessoas incríveis, inteligentes, cultas, solidárias, inseguras, ignorantes, egos inflados, idiotas que desejavam aparecer à custa de jovens inexperientes.  Encontrei pessoas maravilhosas, escritores, gaúchos escritores, que vivem longe da terra, jovens talentosos, mentes brilhantes.

 

Encontrei também muitos erros de português.  Textos abreviados e palavras primárias, escritas de forma incorreta. Travei algumas batalhas pela língua portuguesa naquele grupo.   Fui ameaçada, chamada de orgulhosa e arrogante.  Tudo porque eu queria falar e escrever corretamente a língua portuguesa.  Outra confusão foi causada por um comentário sobre erotismo infantil.  Uma jovem tem uma ideia e o “ajudante” escreve que seria “lindo” um namorico entre crianças de nove anos.  Fiquei furiosa, e fui logo escrevendo que era pedofilia, e que estavam erotizando as nossas crianças.

 

A decisão de revisar para outros escritores foi tomada aí no grupo, diante das dificuldades que alguns enfrentavam.  Excelente texto, enredo criativo e língua portuguesa, um desastre.  Optei também pelo preço diferenciado, até promocional diante dos preços praticados no mercado.

 

O Facebook estava sob controle, e eu cuidava também do perfil no Twitter.  Enquanto no Face você não tem limitação para escrever, no Twitter são 140 caracteres, uma frase ou duas.  E mesmo assim, conseguem abreviar as palavras e escrever palavrões vulgares... Comentei que o Twitter era um esgoto. Mesmo assim eu continuei lá, o objetivo era apresentar meu livro, e encontrei muitos blogueiros. Lembro que próximo ao Natal, enviei para todos os seguidores e outros tantos, mensagem de “feliz natal” com uma imagem anexa, alusiva às festas.  Foi surpresa para alguns, gratidão de outros e indiferença de outros tantos.  E o bloqueio da minha conta por 48 horas.  Dizia o Twitter que eu estava agindo contra as normas.  Valeu a pena, consegui mais de 2 mil visualizações no Clube de Autores.  O objetivo foi alcançado.   Eu só não sabia a vantagem do meu objetivo, simplesmente queria ser vista, ou melhor, meu livro.

 

O Facebook me proporcionou conhecer muitas pessoas, escritores e poetas.  Como o poeta português, que conheci através do Face e me apresentou a poesia.  Até então eu não tinha nenhum interesse em poesia, achava tudo muito melancólico.  E descobri que tudo é poesia, a vida é uma poesia, eu sou uma poesia.  Dezembro/2013

 

Nell Morato/16.07.2014