Sites Grátis no Comunidades.net Criar um Site Grátis Fantástico




ONLINE
1





Partilhe esta Página



Total de visitas: 13503
A Bela Adormecida Tamponada
A Bela Adormecida Tamponada

 

A BELA ADORMECIDA TAMPONADA

 

Nas imagens pornográficas, as mulheres aparecem explicitamente ofertadas ao olhar e ao acesso dos interessados.  Estes, ao menos imaginariamente, podem dispor delas para seu prazer.  Quanto mais pornográfica e menos erótica for a representação, mais visíveis serão os orifícios “disponíveis”.  A transformação de alguém em uma imagem incumbida de encenar fantasias alheias, sem levar em conta as que ele próprio possa ter, é o cerne da pornografia e o avesso do erotismo.  As pessoas que consomem esse gênero não são egoístas ou pervertidas.  São apenas neuróticos triviais que utilizam representações anônimas daquilo que imaginaram para atingir o gozo sexual.

É necessário que o outro seja passivo?  Sem problemas.  Dominante? OK.  Cai bem que esteja encontrando prazer nas mãos de alguém do sexo oposto que não seja eu?  Tudo bem. Preciso ver duas pessoas do mesmo sexo se desejando?  OK. Vários participantes, todos desejando uma só mulher?  Para tudo há uma solução:  a indústria pornográfica arregimenta pessoas capazes de praticar os contorcionismos necessários, a serviço de um Kama Sutra comercial pouco encontrável numa real cena de sexo.

Agora imagine uma dessas mulheres, linda e loira, colocada em posições clássicas da pornografia mas com todos os orifícios de seu corpo tamponados.  Olhos, boca, nariz, ouvidos, vagina, ânus, cobertos com uma massa branca que a impede de qualquer relacionamento, ativo ou passivo, com o mundo.  Numa urna de vidro, ao lado das fotos, estão os tampões, modelados em seu corpo.

No espaço de exposições do Santander, em Porto Alegre, entre outras instalações instigantes, os artistas Laura Cattani e Munir Klamt propõem essas fotos, da mulher tamponada, nem pornográfica, nem erótica: sinistra.

Eles chamaram o conjunto das obras expostas de “Aporia”, traduzível por “impasse”, “beco sem saída”.  Esse é o efeito desse corpo indefeso e inacessível.  A anti-bela adormecida dos retratos não está à espera nem de um príncipe que a beije, nem de voyeur que a contemple.  Ela tem seu corpo fechado, mas permanece em poses de disponibilidade, representando um paradoxo de passividade interditada.

No local, travei um diálogo com uma moça que trabalhava ali.  Perguntei de quem era a obra.  Ela entendia que eu indagava quem era a moça e dizia não saber informar a identidade da modelo.  Insisti, e ela também.  Após o reiterado mal-entendido, compreendi que ela não aceitava o anonimato da retratada.  Afinal, se era seu corpo, por que não seria ela identificada?  Ficamos nessa conversa de surdos porque ambas nos angustiamos frentes às fotos.  Uma mulher cheia de rolhas é um doloroso retrato da passividade feminina.  Ele nos mostra que fomos educadas para estar sempre alheias ao mundo e disponíveis para o uso.

 

Fonte:  Diana Lichtenstein Corso/Psicanalista (dianamcorso@gmail.com)

            Jornal ZeroHora de 19/7/2015